Coordenador nacional do ODP fala sobre uso de mineração de dados no combate à corrupção

O Instituto Brasileiro de Pesquisa e Análise de Dados (IBPAD) publicou a palestra ministrada pelo coordenador-geral do Observatório da Despesa Pública (ODP) do Ministério da Transparência, Fiscalização e Controle (MTFC), Rommel Carvalho. A apresentação ocorreu durante o I Seminário sobre Ciência de Dados e Sociedade, realizado em junho na Faculdade de Tecnologia da Universidade de Brasília (FT-UnB).

Carvalho falou sobre como o uso de mineração de dados pode ser extremamente útil para o combate à corrupção. Ele apresentou as atividades do ODP como o Banco de Preços, a triagem automática de denúncias e a identificação dos principais pedidos da Lei de Acesso à Informação (LAI). O servidor também discorreu sobre as técnicas utilizadas no Observatório, a exemplo da análise multicritério, mineração de textos, análise de redes sociais e modelagem de tópicos.

Para prevenir a ocorrência de fraudes, o MTFC criou, em 2008, o ODP, uma unidade composta por técnicos especializados, que utiliza tecnologia da informação (TI) de ponta, capaz de cruzar dados de diferentes sistemas, na busca por sinais de má aplicação dos recursos federais – uma espécie de “malha-fina” dos gastos do Executivo Federal. No momento em que os auditores identificam algum gasto atípico, acionam o ministério ou órgão do Executivo Federal responsável por aquela despesa, para que apresente justificativas. Caso considere a resposta insuficiente, o Ministério da Transparência realiza uma ação de controle para aprofundar a investigação.

Santa Catarina

Em dezembro de 2014, a Secretaria de Estado da Fazenda firmou um Acordo de Cooperação Técnica com o MTFC, na época Controladoria Geral da União, para instalar uma unidade do ODP em Santa Catarina. Desde então, um grupo de auditores internos do Poder Executivo trabalham, dentro das estruturas da Diretoria de Auditoria Geral (Diag) em parceria com o Governo Federal para a integração de informações relativas ao gasto público.

Com informações do Ministério da Transparência, Fiscalização e Controle

Portal SCtransferências é finalista do prêmio de boas práticas em gestão pública lançado pela UDESC

O portal SCtransferências está entre os finalistas do Prêmio de Boas Práticas em Gestão Pública da Universidade do Estado de Santa Catarina (Udesc). De acordo com a lista das iniciativas selecionadas, que foi divulgada nesta terça-feira (24) pelos organizadores, a ferramenta vai disputar o primeiro lugar na categoria Tecnologias de Informação para a Transparência.

A premiação estadual é organizada pelo Centro de Ciências da Administração e Socioeconômicas (Esag) e tem como finalidade identificar, reconhecer, estimular e premiar práticas inovadoras de gestão pública, que consolidem avanços na realização do interesse público, realizados em Santa Catarina.

Para o gerente de Auditoria de Recursos Antecipados (Geran), César Cavalli, a  indicação do portal  é fruto da dedicação e perseverança da equipe de auditores internos e dos técnicos do CIASC que não medem esforços para a melhoria contínua dos processos envolvendo transferências voluntárias do Estado. “Nossa expectativa é pelo reconhecimento da grande contribuição que o projeto tem dado, uma vez que apresenta informações de extrema importância para a boa gestão dos recursos públicos”, resume.

Lançado no final de 2012, o SCtransferências é um canal exclusivo para a transferência voluntária de recursos do Governo do Estado para municípios, entidades sem fins lucrativos, consórcios públicos e pessoas físicas. O portal é utilizado também para informar a sociedade a respeito da aplicação dos recursos públicos. Só no último ano, mais de R$1 bilhão foram destinados por meio de convênios, subvenções e contratos de apoio financeiro.

O prêmio teve 31 práticas avaliadas e as finalistas – as cinco que obtiveram maior pontuação em cada categoria – serão apresentadas durante uma conferência de premiação, nos dias 15 e 16 de junho, diante da comissão julgadora definirá o resultado final. Gratuito e aberto ao público, o evento tem vagas limitadas, com inscrições pelo site: http://www.premiogestaopublica.com.br.

Na apresentação final, os projetos selecionados serão avaliados de acordo com cinco critérios: clareza na apresentação; qualidade do material apresentado; pertinência das respostas aos questionamentos da comissão julgadora; equilíbrio no uso do tempo na apresentação; e coerência e pertinência da argumentação.

A Secretaria de Estado da Fazenda está concorrendo também na categoria Qualidade na Gestão Pública com o projeto do Cartão de Pagamentos do Estado de Santa Catarina (CPESC), coordenado pela contabilidade.

Foto: Jaércio Bento/Sindiauditoria

Com informações da Secretaria de Estado da Fazenda e da UDESC